Procedimentos Complementares

Procedimentos Complementares Fonte da imagem: USP

Procedimentos adicionais podem ser necessários

Em muitas circunstancias procedimentos adicionais são necessários antes, durante e depois da inserção de implantes para garantir melhores chances de sucesso a longo prazo.

Alguns desses procedimentos são obrigatórios, enquanto outros são recomendados para melhorar o funcionamento dos implantes e/ou os resultados cosméticos do tratamento. Como sempre, é melhor conversar sobre as opções e as alternativas com o cirurgião e o protesista a fim de entender plenamente a sua necessidade especifica.

Aumento de osso

Quando um dente é perdido o osso debaixo dele normalmente se encolhe tanto no sentido horizontal quanto no vertical. O osso apoia os dentes e quando deixa de ser estimulado pelas forças de mastigação ele tem tendência a diminuir. Em áreas dos quais os dentes foram perdidos há algum tempo e possivelmente foram substituídos por uma dentadura removível frequentemente resta tão pouco osso que não se pode mais inserir implantes do tamanho adequado. O mesmo acontece com dentes perdidos pelo avanço da doença periodontal.

Defeitos no osso devido à infecção do canal da raiz, dentes fraturados, trauma e dificuldades na extração dos dentes também criam situações que podem levar à necessidade de aumentar o osso por meio de um enxerto para tornar a inserção de implantes possível.

Materiais de enxerto ósseo

São vários os tipos de materiais de enxerto de osso atualmente disponíveis. Alguns cirurgiões optam pelo uso do osso do próprio paciente, colhendo-o em áreas próximas como a mandíbula ou em outras partes do corpo onde existem quantidades grandes de osso acessíveis como o joelho ou o fêmur.

Um tipo de osso derivado do osso bovino também pode ser usado. Ele é processado para remover a proteína, o que estimula o corpo humano a substitui-lo com osso novo.

Existem vários materiais sintéticos de enxerto e as pesquisas prometem mais num futuro próximo. Recentemente um produto da tecnologia genética conhecida como ‘proteína óssea morfogenética’ foi aprovado e pode ser usado no enxerto dos seios maxilares e em alguns procedimentos de aumento de osso.

Preservação do alvéolo

Muitas vezes quando um dente for extraído, o dentista colocará em seguida um enxerto ósseo que ajudará a manter o osso existente para que um implante possa ser inserido. Se as paredes do alvéolo forem danificadas pode ser necessário um procedimento mais extenso de preservação que isola e reconstrói o alvéolo colocando uma membrana debaixo da gengiva ao redor do alvéolo. Este material evita que as células da gengiva entrem no alvéolo e permite que células ósseas que crescem mais lentamente possam encher o alvéolo até a altura e a espessura apropriadas para receber um implante. Enxerto dos seios

Enxerto dos seios

Os seios maxilares são um dos cinco pares deste tipo de cavidade no crânio. Eles contem ar e se encontram entre os dentes molares e as cavidades oculares. Quando os molares são perdidos os seios maxilares logo em cima deles tendem a expandir por dentro da maxila. Mesmo com dentes, às vezes a altura do osso entre o assoalho do seio maxilar e a gengiva é insuficiente para inserir implantes do tamanho adequado. O enxerto do assoalho dos seios eleva o assoalho destas cavidades com material de enxerto que estimulará o crescimento de osso, o que permitirá a inserção de implantes.

O enxerto dos seios maxilares pode ser uma cirurgia preliminar que prepara o osso para a inserção de implantes como também, pode ser executado ao mesmo tempo, se tiver osso suficiente para estabilizar os implantes enquanto cicatrizam. Como sempre, você precisa confiar no treinamento e conhecimento que o cirurgião tem desta técnica e as possíveis complicações. É importante conversar com o seu dentista sobre todas as opções disponíveis na sua situação específica antes de tomar qualquer decisão sobre o tratamento.

Osteotomia

Osteotomia é mais uma técnica para aumentar a altura do osso debaixo dos seios. Neste processo uma pequena quantidade de osso colocada debaixo do assoalho do seio no lugar de inserção de um implante é usada para empurrar o osso remanescente para cima junto com o forro do próprio seio, usando instrumentos conhecidos como ‘osteotomes’. O efeito é de elevar o assoalho do seio apenas na área do implante permitindo a inserção de um implante mais comprido e de proporções mais adequadas, o que proporciona mais estabilidade e resistência às forças de mastigação.

Aumento do rebordo

Se uma quantidade de osso significativo foi perdido de uma área em que deseje inserir um implante o seu dentista pode recomendar um procedimento de aumento do rebordo. Esta técnica reconstrói o osso necessário para inserir um implante. Ela pode ser executada ao mesmo tempo em que o implante for inserido ou uma cirurgia preliminar pode ser necessária para enxertar osso suficiente antes do procedimento de implante.

Como em todos os procedimentos de enxerto descritos aqui, existem vários tipos de materiais de enxerto. O material mais apropriado para você e as suas características anatômicas deve ser discutido com o seu dentista. Eles têm vantagens e desvantagens, mas todos agem promovendo o crescimento do seu próprio osso. A cicatrização em áreas de aumento de rebordo pode demorar até seis meses. Se você usa uma prótese removível na área do enxerto pode ser necessário deixar de usá-la depois da cirurgia durante várias semanas.

Expansão do rebordo

Um procedimento relacionado com o aumento do rebordo é conhecido como expansão de rebordo, e também existem as opções de fazê-lo ao mesmo tempo da inserção do implante ou com uma cirurgia preliminar que prepara o local para a inserção de implantes de um diâmetro apropriado. Às vezes este procedimento pode ser complementado com o uso de materiais de enxerto a fim de manter o espaço criado. Em um procedimento de expansão do rebordo o osso da mandíbula ou da maxila é dividido de frente para trás e os segmentos anteriores e posteriores separados por meio de um calço, criando um espaço que será preenchido com osso novo. Assim o seu dentista aumenta o osso disponível até a largura apropriada para receber implantes e pode substituir os seus dentes perdidos.

Enxerto gengival

Com tempo aprendemos que a manutenção dos implantes fica mais fácil se tiver uma quantidade adequada de gengiva na área onde o implante passa por ela. A gengiva queratinizada, a parte cor-de-rosa da gengiva ao redor dos dentes, é mais densa e por isso resiste melhor aos efeitos da comida e da escovação, mas este tecido é muitas vezes reduzido ou até ausente nas áreas onde os dentes foram perdidos.

Um enxerto gengival pode também ajudar a corrigir defeitos cosméticos ao redor dos implantes quando houver uma perda significativa de tecido na área de tratamento antes de inserir os implantes. Tecido gengival pode ser removido de outra área da boca como o palato, ou a gengiva adjacente pode ser deslocado para a área de tratamento e novos materiais de fontes animais também são usados no lugar da gengiva do próprio paciente. Como sempre você deve conversar com a sua equipe odontológica sobre qual destas possibilidades será melhor na sua situação especifica.

Ortodontia

O deslocamento de dentes pode ser necessário na preparação de uma área de tratamento com implantes se os dentes adjacentes migraram para o espaço aberto. A ortodontia pode também ser recomendada porque o arranjo ideal dos dentes antes ou depois de colocar os implantes pode melhorar tanto o seu sorriso quanto a sua oclusão. O seu dentista pode até aproveitar um implante para deslocar outros dentes, pois um implante é a estrutura ideal em que os outros dentes podem se apoiar e sejam empurrados para as posições ideais.


Procedimentos em implantes dentários Substituindo um único dente